Equador: Fanesca

fr

Fanesca é uma sopa muito tradicional do Equador, rica em cultura, história e sabor de séculos de tradição.

Você pode pensar que a fanesca no Equador é muito parecida com a época do Natal para o paladar e a cultura equatoriana como um todo. Esta sopa especial, rica e relativamente complexa, é servida apenas durante a Semana Santa (meados de abril), embora, nos últimos anos, o período para este prato sazonal tenha aumentado gradualmente. Nos restaurantes, muitos agora podem se deliciar com a fanesca um mês inteiro antes de normalmente ser servida em casa.

Qual é a origem da fanesca?

A origem deste prato tradicional equatoriano remonta aos tempos pré-colombianos, durante uma das maiores celebrações que giravam em torno do equinócio. Hoje, quando o equador da Terra passa pelo centro do Sol, acontece duas vezes por ano; geralmente por volta de 20 de março e 23 de dezembro. Foi um evento astronômico celebrado por muitas culturas antigas ao redor do mundo, como o povo nativo do Equador e o Império Inca (que mais tarde conquistaria parte da região equatoriana).

O equinócio simbolizava o início de um novo ciclo de vida que veio com o ano novo. Junto com esta celebração, chegou a estação da colheita de muitos dos grãos não amadurecidos que mais tarde foram utilizados na preparação deste prato sazonal.

O próprio prato de fanesca recebeu o nome quíchua de uchucuta, significando grãos não amadurecidos cozidos em ervas e especiarias.

Com a chegada dos conquistadores espanhóis, veio a assimilação cultural. Os espanhóis foram astutos o suficiente para combinar as tradições já dominantes dos nativos com suas próprias crenças católicas, resultando na combinação de festividades católicas repletas de simbolismo e imagens indígenas. Em breve, uchucuta mudou seu nome para fanesca. Foi então incluído como parte do semana Santa Celebrações (Semana Santa), devido à forma como perfeitamente coincidiu com as celebrações do equinócio.

Qual é a origem do nome fanesca?

Embora a origem do nome real fanesca seja desconhecida, várias hipóteses são compartilhadas entre a população equatoriana. O mistério em torno da fanesca, especialmente devido ao fato de nenhum outro país compartilhar o prato, ou o costume, resultou em uma série de versões históricas (e não tão históricas). Uma das teorias mais coloquiais afirma que foi inventada nos tempos coloniais por alguém chamado Juana, em uma fazenda perdida do alto dos Andes, batizada inicialmente. Juanesca.

Outra versão é um prato em Portugal muito semelhante, feito com feijão e bacalhau (bacalao)

A outra origem óbvia é a pré-hispânica, remontando à celebração da Mushuc Nina ou O Dia do Fogo, ritual que marca o início do ano andino no mês de março, quando os grãos são colhidos. O prato associado a esta origem é chamado uchukuta em Kichwa, que significa feijões cozidos com pimenta e ervas. Como a fanesca hoje, ela incluía abóbora e abóbora, ervilhas, favas, mellocos, milho e feijão, na receita, todos colhidos no início de fevereiro, quando o Pawkar Raymi festividades acontecem (uma espécie de Spring Fest). Acredita-se que o uchukuta foi servido com a carne de cobaia selvagem.

Sua origem e significado são de pouca importância, no entanto, quando se trata de montar o prato. Toda família tem seus próprios segredos para preparar a fanesca (descascando todo tipo de leguminosas e leguminosas, inclusive lentilhas, por exemplo!) E as avós, presentes ou em espírito, têm a magia de reunir famílias inteiras para preparar e compartilhar a tradição. Alguns descascam os legumes, outros cortam cebolas, outros amassam bolas de farinha, outros cortam queijo.

Como fazer fanesca

De acordo com o primeiro livro equatoriano de receitas, publicado por volta de 1882 pelo autor Juan Pablo Sanz, a preparação da fanesca já mostrava sinais de ter uma maneira “padrão” de ser preparada (mesmo que sua receita esteja faltando alguns ingredientes ou usando diferentes) . Ele escreveu: “feijão, lima, tremoços e ervilhas não amadurecidos são selecionados e cozidos. Arroz, couve e abóbora também são adicionados. Todos são cozidos em uma panela junto com cebola salteada, alho, cominho, amendoim torrado e uma pitada de açúcar. Mais tarde, são adicionados creme e leite e, após uma última fervura com peje peixe e camarão, a sopa é servida com bolinhos de massa, empanadas, banana frita, ovos cozidos, salsa, malagueta e pimenta. ”

Dependendo da região do Equador onde a fanesca é preparada, a sopa terá algumas variações específicas para a geografia da área. Em suma, o prato é preparado, compartilhado e apreciado por um grande número de famílias equatorianas durante este feriado especial da Semana Santa (Semana Santa).

A sopa consiste em 12 grãos diferentes (representando os 12 apóstolos), bacalhau (representando os ichthys ou “peixe de Jesus”), todos cozidos no leite e embelezados com ovos cozidos e bolinhos de massa de batata (molo) no lado.

Culturalmente, o prato é conhecido por reunir famílias, com membros participando desse “trabalho de amor” coletivo que requer tempo, paciência e uma grande variedade de ingredientes diferentes. O prato em si às vezes é preparado em casa e depois trocado entre as famílias vizinhas depois de pronto.

Não há nada igual no mundo. A sopa de fanesca é um daqueles pratos que você simplesmente não consegue inventar duas vezes. Ele se enraizou na identidade do Quiteño e agora define a Páscoa no Equador.

A fanesca começa em fazendas no meio dos campos do Equador, nas semanas que antecedem a Páscoa, os ingredientes da sopa, sem paralelo em variedade e quantidade, são colhidos e recolhidos. Os vendedores do mercado organizam seus estandes para facilitar a compra. Os compradores então voltam para casa com cestas cheias o suficiente para alimentar um exército por semanas.

Se a Quaresma foi concebida como um período de jejum intenso, com a intenção de reduzir o penitente a nada além de pele e osso, no Equador, este prato é concebido para impedir um jejum tão flagrante. Os ingredientes juntos são, sem dúvida, demais para manusear os órgãos de um corpo no processo de uma limpeza espiritual.

A Fanesca é geralmente consumida ao meio-dia, que geralmente é a principal refeição do dia na cultura equatoriana. Em resumo, a fanesca é uma mistura de sabores que, depois de provar, você se lembrará para sempre.

Fanesca

Fanesca é uma sopa tradicional do Equador, típica da Semana Santa, preparada com bacalhau, abóbora, abóbora e vários legumes. É enriquecido com queijo e leite.

Curso: Prato Principal, Sopa

Cozinha: Equatoriana, Latino-americana

Porções: 12 pessoas

Autor: Nita Ragoonanan

Ingredientes

  • 2 lb de bacalhau salgado seco
  • 7 cebolas picadas
  • 8 dentes de alho picados
  • 2 kg de sambo (abóbora branca, com polpa macia e macia)
  • 1 lb de abóbora
  • 1½ libras de ervilhas cozidas
  • 1 xícara de lentilhas amarelas, cozidas
  • 1 xícara de grão de bico, cozido
  • 8 xícaras de milho descascado, cozido
  • 2½ xícaras de feijão branco, cozido
  • 5 xícaras de fava cozida
  • 2 xícaras de feijão lupini, cozido
  • 10 folhas de couve verde cortadas em tiras muito finas
  • 1½ xícara de amendoim moído
  • 1 xícara de arroz cozido
  • ¾ xícara de manteiga
  • 4 quartos de leite
  • 2 colheres de chá de achiote moído
  • ¾ xícara de creme fraiche
  • 6 onças. creme de queijo
  • 1 colher de chá de pimenta em pó
  • 2 colheres de chá de cominho
  • 1 coentro pequeno picado
  • Sal

Instruções

  1. No dia anterior, lave o bacalhau salgado e deixe de molho durante a noite em uma grande quantidade de água fria para se livrar do excesso de sal.

  2. Cozinhe a abóbora e a abóbora em água por 30 minutos e depois faça o purê.

  3. Adicione as ervilhas, milho, favas, arroz, feijão branco, lentilhas e grão de bico, todos pré-cozidos. Misture bem e reserve.

  4. Em uma frigideira, aqueça a manteiga em fogo médio e refogue a cebola e o alho, adicione o achiote, depois o amendoim moído, as especiarias e, finalmente, o lupini.

  5. Despeje esta mistura em uma panela grande, adicione a mistura reservada de purê e feijão, as folhas de couve, leite e creme fraiche. Misture bem.

  6. Cozinhe coberto em fogo baixo por 20 minutos.

  7. Lave o bacalhau e adicione ao forno holandês. Cozinhe delicadamente até que se quebre em pedaços pequenos e adicione à preparação anterior na panela. Misture bem.

  8. Adicione o coentro e cozinhe em fogo baixo por 10 minutos.

  9. Para engrossar a sopa, adicione o cream cheese (ou até um pouco mais de creme fraiche) antes da última fervura.

  10. Servir com:

    – Ovo cozido fatiado

    – Bananas fritas de banana

    – Creme de queijo

    – Tiras de pimenta fresca

    – Cebolas brancas em conserva

    – Empanadas

    – Abacates

Menu de Receitas